National Instruments: confirmando a inovação com Profibus.
Grupo de cabos já é realidade
Renovação
2011: ano de realizações.
Belden desenvolve cabos Profibus
Chrysler/FIAT adota PROFINET para o padrão CArS

EDDL - Electronic Device Description Language & FDT/DTM – Field Device Tool/ Device Type Management & FDI - Field Device Integration

Procedimento de atualização de hardware para acesso a dados HART em remotas PROFIBUS
Entendendo as reflexões em sinais Profibus
Gerenciamento de Ativos e Autodiagnose
5 Perguntas para fazer ao seu fornecedor de ferramentas SCADA
LMP-100 – Gateway Profibus DP – Modbus RTU DLG AUTOMAÇÃO
HDP-200 – Repetidor Profibus DP DLG AUTOMAÇÃO
TDP-100 – Terminador Ativo Profibus DP DLG AUTOMAÇÃO
XM - 210 DP - Remota Universal Profibus DP DLG AUTOMAÇÃO
Liquiline CM44 ENDRESS+HAUSER
Instrumentos em Profibus PA Profile 3.02 ENDRESS+HAUSER
Infraestrutura para equipamentos Fieldbus Pepperl+Fuchs
SIMATIC ET200sp: Novos I/Os compactos distribuídos para construção eficiente de máquinas e instalações
Novo distribuidor de campo ativo para instalações intrinsecamente seguras da Siemens

 

OUTRAS EDIÇÕES

Edição 01 - Abril 2004
Edição 02 - Junho 2004
Edição 03 - Agosto / Setembro 2004
Edição 04 - Outubro / Novembro 2004
Edição 05 - Dezembro 2004/ Janeiro 2005
Edição 06 - Fevereiro / Março 2005
Edição 07 - Abril / Maio 2005
Edição 08 - Junho / Julho 2005
Edição 09 - Agosto / Setembro 2005
Edição 10 - Outubro / Novembro 2005
Edição 11 - Dezembro 2005 / Janeiro 2006
Edição 12 - Fevereiro / Março 2006
Edição 13 - Julho / Agosto 2006
Edição 14 - Novembro 2006
Edição 15 - Abril 2007
Edição 16 - Junho 2007
Edição 17 - Fevereiro 2008
Edição 18 - Julho 2008
Edição 19 - Outubro 2008
Edição 20 - Março 2009
Edição 21 - Julho 2009
Edição 22 - Dezembro 2009
Edição 23 - Julho 2010
Edição 24 - Mar√ßo 2011
Edição 25 - Julho 2011
Edição 26 - Fevereiro 2012

EXPEDIENTE

PROFINEWS BRASIL
Edição nº 25 - Julho 2011

PROFINEWS BRASIL é uma publicação eletrônica bimestral da ASSOCIAÇÃO PROFIBUS, distribuída a seus associados, fornecedores e usuários das tecnologias PROFIBUS e AS-i.

 

DIRETORIA EXECUTIVA 2009/2012

Marco Padovan (Sense)
Diretor Presidente

Leandro Torres (SMAR)
Diretor Vice Presidente Tesoureiro

Robert Gries Drumond (Siemens)
Diretor Vice Presidente Secretário

Adriano Oliveira (SMAR)
Diretor de Marketing

Silas Anchieta
Diretor Executivo

 

JORNALISTA RESPONSÁVEL

Sílvia Bruin Pereira
(MTb 11.0065 / MS 5936)

Os artigos assinados são de exclusiva responsabilidade de seus autores. É vedada a reprodução total ou parcial dos textos e ilustrações desde newsletter, sob pena de sanções legais. São tomados todos os cuidados razoáveis na preparação do conteúdo das matérias e, caso haja enganos em textos ou desenhos, será publicada errata na primeira oportunidade.

 


Associação PROFIBUS
Caixa Postal 11.063-9 - CEP 05422-970
São Paulo, SP. Telefone/Fax: (11) 2849-3202
e-mail: profibus@profibus.org.br
site: www.profibus.org.br.



Siga-nos!

    

 

Tutorial

5 Perguntas para fazer ao seu fornecedor de ferramentas SCADA

Tutorial desenvolvido pela National Instruments.

 

Conte√ļdo

Voc√™ tem o martelo correto para aquele prego? Qualquer pessoa que tenha trabalhado alguma vez em um projeto conhece uma express√£o semelhante a essa sobre usar a ferramenta correta para o trabalho que se pretende realizar. Com tantas ferramentas pacotes no mercado para desenvolvimento de aplica√ß√Ķes envolvendo interfaces homem-m√°quina (IHM), aquisi√ß√£o de dados e controle de supervis√≥rio (SCADA), torna-se vital escolher a ferramenta correta para n√£o somente atender suas especifica√ß√Ķes atuais como tamb√©m implementar caracter√≠sticas adicionais quando o projeto j√° estiver em uso. Um outro importante e desafiador fator durante qualquer projeto √© a press√£o para reduzir do tempo de desenvolvimento e o custo associado ao desenvolvimento e implementa√ß√£o do sistema.

Você deve fazer as próximas cinco perguntas ao seu fornecedor SCADA antes de escolher uma ferramenta específica.

 

1. Minhas ferramentas SCADA podem ser integradas com o hardware novo e o j√° existente no sistema?

Não é muito raro ter uma infraestrutura com Controladores Lógico-Programáveis (CLPs) e Unidades de Terminais Remotos (RTUs) aos quais você precisa adicionar novos equipamentos para otimizar seu sistema de automação. Por isso o pacote de ferramentas SCADA que você deve escolher precisa ser capaz de se comunicar tanto com hardware antigo quanto com hardware atual, como são os controladores programáveis para automação (PACs). Enquanto o padrão OLE para controle de processos (OPC) for, de fato, o padrão industrial de comunicação para equipamentos de automação, ainda haverá sensores e instrumentos que exigirão seus próprios drivers. A capacidade de escrever seus próprios drivers no ambiente SCADA torna-se um fator essencial para usar hardware existente com hardware novo.

Além do OPC, Modbus é um outro protocolo industrial popular que é frequentemente usado para acessar registradores em RTUs e sensores. TCP/IP e UDP são alguns dos outros tipos de protocolos de baixo nível que você pode usar para comunicar diferentes tipos de hardware. Com um sistema SCADA verdadeiramente aberto, você pode comunicar qualquer hardware existente enquanto adiciona hardware mais novo à medida que seu sistema é expandido.


Este diagrama de blocos mostra um típico sistema com arquitetura IHM/SCADA aberta conectada tanto a um hardware antigo como a um hardware novo.
Figura 1 ‚Äď Este diagrama de blocos mostra um t√≠pico sistema com arquitetura IHM/SCADA aberta conectada tanto a um hardware antigo como a um hardware novo.

 

2. Qual é o custo total após a implementação do meu sistema?

A maior parte dos fornecedores SCADA possui pre√ßos baseado no n√ļmero de terminais (tags) necess√°rios para desenvolver seu sistema SCADA. Uma aplica√ß√£o de tamanho razo√°vel termina facilmente com alguns milhares de terminais. Com os fornecedores SCADA cobrando por cada terminal usado, √© muito comum voc√™ desenvolver sua aplica√ß√£o se preocupando com o n√ļmero de terminais usados at√© o momento. Se voc√™ ultrapassa o limite, ser√° necess√°rio iniciar um novo processo de compra, aprov√°-la e dedicar tempo √† adapta√ß√£o do sistema, ao inv√©s de se concentrar no desenvolvimento da sua aplica√ß√£o.

Uma vez finalizado o processo de desenvolvimento, mesmo durante a fase de implementa√ß√£o da aplica√ß√£o, os fornecedores cobram pelo n√ļmero de terminais em execu√ß√£o no sistema, o que pode levar a problemas de or√ßamento se voc√™ n√£o fizer o planejamento de forma adequada desde o in√≠cio. Para reduzir custos, investigue ferramentas que n√£o cobrem pelo n√ļmero de terminais, mas que ainda possam atender os requisitos de desempenho.


Ambientes de desenvolvimento especializados como o LabVIEW da National Instruments fornecem a flexibilidade e a integração entre lógica e IHM que os sistemas IHM/SCADA modernos exigem.

Figura 2 ‚Äď Ambientes de desenvolvimento especializados como o LabVIEW da National Instruments fornecem a flexibilidade e a integra√ß√£o entre l√≥gica e IHM que os sistemas IHM/SCADA modernos exigem.

 

3. Qu√£o flex√≠vel meu pacote SCADA ser√° se eu necessitar adicionar fun√ß√Ķes de an√°lises avan√ßadas?

Enquanto sistemas de automação são projetados para otimizar tempo e volume de produção, sistemas SCADA são frequentemente requisitados para executar análises avançadas e oferecer flexibilidade para implementação de funcionalidades não típicas, não oferecidas por sistemas SCADA tradicionais. Por exemplo, se você está realizando aquisição de sinais de vibração e deseja realizar uma Transformada Rápida de Fourier (FFT) para verificar se o seu sistema de vibração se encontra acima dos limites especificados, você usualmente decide por separar o sinal em pacotes para análise ou, na melhor das hipóteses, usar linguagens de programação como Visual Basic ou mesmo C com sua aplicação SCADA.

Se sua ferramenta SCADA for flex√≠vel o bastante como uma linguagem de programa√ß√£o √© para implementar caracter√≠sticas customizadas e executar fun√ß√Ķes para an√°lises avan√ßadas, voc√™ reduz significativamente tempo e custo de treinamento para aprender diferentes ferramentas e atender √†s especifica√ß√Ķes do sistema final.

 

4. Posso programar tanto a lógica do controlador como as funcionalidades IHM/SCADA no mesmo ambiente de desenvolvimento?

Muitas vezes voc√™ prefere comprar a maior parte do seu hardware e software de um √ļnico fornecedor. Exceto pela conveni√™ncia de solicitar apenas uma ordem de compra, voc√™ poderia comprar equipamentos de diferentes fabricantes, desde que as especifica√ß√Ķes atendam aos requisitos da aplica√ß√£o. Entretanto, se voc√™ programa a l√≥gica do seu hardware de controle e a l√≥gica SCADA no mesmo ambiente, voc√™ pode minimizar tempo de desenvolvimento consideravelmente. Voc√™ tamb√©m pode economizar em custos de treinamento, pois n√£o ter√° que ser proficiente em dois ambientes distintos.

 

5. Quais sistemas operacionais eu posso utilizar para executar minha aplicação?

Os sistemas IHM/SCADA são executados geralmente no Windows XP e agora no Windows Vista. Contudo, com o Windows CE e o Windows XP Embedded ganhando popularidade por seus custos relativamente baixos e ocupando menos espaço, os fabricantes de touch panel (IHMs com tela sensível a toque) têm desenvolvido muitos touch panels para suportar esses sistemas operacionais. Uma ótima opção para manter baixo o custo total do sistema é utilizar estes sistemas operacionais sempre que possível. Para fazer isso, você precisa se certificar que o sistema SCADA pode ser executado em diferentes sistemas operacionais. Linux e Macintosh não são tão populares nessa área, mas devem ser levados em consideração apesar disso.

Veja o tutorial interativo “Develop Your HMI/SCADA System in LabVIEW”.

Linux¬ģ √© uma marca registrada de Linus Torvalds nos EUA e em outros pa√≠ses.


A Associação PROFIBUS não se responsabiliza por qualquer dano supostamente decorrente pelos conceitos, comentários, depoimentos e opinões emitidas em matérias fornecidas pelos seus membros ou artigos assinados. A opinião expressa no conteúdo não traduz em nenhum momento a opinião da Associação PROFIBUS. Os artigos assinados são de exclusiva responsabilidade de seus autores. É vedada a reprodução total ou parcial dos textos e ilustrações deste newsletter, sob pena de sanções legais. São tomados todos os cuidados razoáveis na preparação do conteúdo das matérias e caso haja enganos em textos ou desenhos, será publicada errata na primeira oportunidade. A Associação PROFIBUS se reserva o direito de, a qualquer tempo e a seu exclusivo critério, retirar qualquer edição, comentário ou imagem que possa ser interpretada como contrária aos seus objetivos.

© Associação PROFIBUS. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da
Associação PROFIBUS.