|  
Últimas Notícias:
+ A Tecnologia AS-i - Capítulo 04 – Tecnologia Safety at Work
+ Gateway PROFINET/PROFIBUS PA Westcon
+ VRP10-O Repetidor Ótico PROFIBUS-PA Vivace
+ VCI10-UP USB - PROFIBUS-PA Vivace
+ VCI10-BP Bluetooth - PROFIBUS-PA Vivace
+ Sensor de pressão SPAU – Festo
+ Gateway MGate 5109 Series Baumier
+ Westcon comemora quatro anos como Centro de Competência PROFIBUS
+ Toledo & Souza Engenharia certifica-se como Centro de Competência PROFIBUS e PROFINET
+ Sense Eletrônica realiza treinamento AS-Interface em dezembro
+ Centro de Competência PROFIBUS forma mais uma turma de engenheiros e instaladores
+ Região Sul recebe edições do PROFINET On The Road
+ PI Brasil elege Diretoria
+ Siemens celebra 30 anos de lançamento do SIMOCODE
+ Módulo de eficiência energética Festo
+ Gateway Anybus PROFIBUS para .Net
+ Monitoração de Válvulas On/Off utilizando rede AS-i
+ Sense Eletrônica completa 40 anos no mercado de automação industrial
+ PI Brasil na ISA Expo Campinas
+ Profinet On The Road oficial em Belo Horizonte

Pöyry: 15 anos de projetos com tecnologia Profibus no Brasil.

A Pöyry emprega ou recomenda redes Profibus em seus projetos, principalmente em fábricas de Celulose e Papel, desde o ano 2000. As aplicações estão na área de automação elétrica e de processo, principalmente nos segmentos de Celulose e Papel, e Mineração e Energia.

“A tecnologia Profibus nos permitiu um grande avanço em se tratando de consistência, rapidez, fácil configuração e instalação, projeto com menos custo e tempo, sendo um protocolo aberto que não depende de fornecedor. É importante estarmos sempre atentos às recomendações para as execuções de configurações e meio físico, determinantes no desempenho da rede”, afirma Ivan Roberto Leite, Especialista em Automação Elétrica da Pöyry Tecnologia Ltda. Ele acrescenta que, apesar de ainda existirem setores cujo protocolo padrão não é o Profibus, verifica uma clara tendência de seu crescimento, mesmo nesses setores não tradicionais.
“Pelo que temos visto e praticado, a respeito de redes industriais, o barramento de campo Profibus é o de melhor aceitação no mercado, diríamos, sem receio, mundial. O Brasil está, também, neste caminho e cada vez mais é notória a presença de produtos com esta tecnologia”, avalia Leite.

Reiterando o fato de que os projetos de todas as fábricas de Celulose e Papel desde 2000, nas quais a companhia tomou parte, foram construídas utilizando-se a tecnologia Profibus, o Especialista em Automação Elétrica destaca a participação da Pöyry na construção de uma nova fábrica na qual foi o Owners Engineering, por volta de 2003/2004. “Elaboramos uma padronização maciça com base em testes de plataforma e utilizando a tecnologia Profibus. A Pöyry e demais EPCs (Engineering, Procurement and Construction Contract), obtivemos um recorde no comissionamento e start-up, onde do greenfield ao start-up foram apenas 22 meses”, comemora.
A respeito da gama de produtos com tecnologia Profibus oferecida atualmente pelos fornecedores, Leite entende ser satisfatória. “No entanto, quanto mais clientes, de forma geral, avançarem nos conhecimentos da tecnologia Profibus, mais exigirão do mercado fornecedor, com aplicação nos produtos voltados para as suas necessidades”, avalia.

Da mesma forma, para o Especialista em Automação Elétrica é aceitável o nível de conhecimento e o domínio da tecnologia Profibus por parte dos fornecedores que atendem a Pöyry. Porém, uma sugestão: “Seria interessante que os fornecedores de produtos e desta tecnologia procurassem as empresas que a utilizam para propagar critérios, procedimentos e elaboração de arquiteturas. Deveria haver uma discussão que fosse além da simples distribuição de folhetos, apostilas e outros materiais, havendo maior troca de ideias presencial entre os profissionais, através de programas elaborados pelo fornecedor juntamente com o cliente de forma geral”, aconselha.

Para o futuro, Leite entende que são positivas as perspectivas de novos projetos da Pöyry com a tecnologia Profibus. “Entendemos que esta tendência de uso continuará de forma consistente nos mercados atuais, com tendência de crescimento para outros mercados, como açúcar e álcool, metalurgia e química. E de nossa parte, estaremos cada vez mais preparados para novos desafios para as aplicações em automação elétrica e de processo. Posso afirmar que em nosso Departamento de Eletricidade as aplicações principais são nos CCMis (Centro de Controle de Motores Inteligente), Grupo-Geradores Diesel, Inversores de Frequência, Softstarters, UPS, etc.”, prevê.

Na sua visão, o protocolo Profibus está consolidado no mercado; “no entanto, sentimos a necessidade de profissionais bem preparados e que dominem muito bem assunto. Já temos alguns; porém, há muito espaço para melhorias em divulgação e treinamento”, aconselha Leite.

A Pöyry é uma empresa multinacional de engenharia e consultoria, dedicada a um modelo de sustentabilidade equilibrada – balanced sustainability – e gestão responsável, que atende, globalmente, a clientes no setor industrial e de energia, e presta serviços localmente a diversos mercados estratégicos. Com atuação focada em qualidade e integridade, realiza consultoria técnica e estratégica e serviços de engenharia sustentados por uma vasta experiência e capacidade de implantação de projetos. Atua nos segmentos de energia (geração, transmissão e distribuição), florestal, papel e celulose, químicos e biorrefinaria, mineração e metalurgia, infraestrutura e água.

No Brasil, a Pöyry iniciou atividades em 1974, tendo criado a sua subsidiária brasileira em 1999. Nesse período, aumentou o seu escopo de atuação, ingressando ainda mais nas áreas de consultoria e gerenciamento de projetos, além dos serviços de engenharia de fábrica. Atualmente, conta com mais de 600 colaboradores no País e atende mais de 50 clientes, de diversos setores.

Globalmente, a empresa possui mais de 6.000 especialistas, além de uma extensa rede de escritórios locais. O faturamento do grupo em 2014 foi de 571 milhões de euros, e as ações da empresa estão cotadas na bolsa NASDAQ OMX Helsinki.

 


Leite: “protocolo aberto que não depende de fornecedor”.