|  
Últimas Notícias:
+ NOTA DE FALECIMENTO
+ Multipoint Temperature & I/O Transmitter VTT10-MP Vivace
+ Conversor PROFIBUS-PA para Saída Analógica ou Discreta VPO10 Vivace
+ Advanced Bus Protector VBP10 Vivace
+ Conversor Analógico para PROFIBUS-PA VAP 10 Vivace
+ TS Conector PROFIBUS DP - Toledo & Souza Engenharia
+ Indicador Digital Multi-Ponto DMY-2015-PB Energy PROFIBUS
+ Já pensou em conectar 8 pontos de temperatura em apenas um nó PROFIBUS PA?
+ MGate 5102-PBM-PN
+ ETHERLINE® ROBUST
+ Por que o Protocolo Profinet está preparado para a Indústria 4.0?
+ Workshop de Inovação na Indústria Automotiva apresenta soluções inovadoras para o futuro da indústria nacional
+ Seminário On Site na Usina Uberaba
+ SENAI de São Caetano do Sul recebe PROFINET on The Road
+ Fabio Marchiori assume nova Diretoria de IO-Link
+ Vivace Process Instruments – VTT10-MP Transmissor de Temperatura Multipontos & E/S
+ Vivace Process Instruments – VTP10 Transmissor de Posição
+ A Tecnologia AS-i - Capítulo 04 – Tecnologia Safety at Work
+ Gateway PROFINET/PROFIBUS PA Westcon
+ VRP10-O Repetidor Ótico PROFIBUS-PA Vivace

PI Brasil coordena grupo de trabalho para normas IEC

(Fonte - banco de imagens IEC).

 

A Associação Profibus Brasil estará na coordenação do Grupo de Trabalho de Redes Industriais, composto por especialistas e interessados no assunto, de forma a permitir a elaboração de um texto base a partir do documento de origem IEC, com o foco de se alcançar uma norma ABNT NBR IEC.

De acordo com Magno de Almeida Ruivo, Coordenador da CE 03:065.01 – ABNT/CB-03 e Consultor de Tecnologia e Inovação da Siemens, o objetivo do GT de Redes Industriais é trazer para a normalização brasileira uma ligação direta com o comitê internacional da IEC que trata desse assunto, ou seja, o SC 65C – Industrial Networks, fazendo com que o projeto de norma da ABNT esteja em sintonia com o padrão internacional, e abrindo espaço para que o Brasil participe da elaboração da norma internacional. “Esse acompanhamento da IEC é importante para evitarmos eventuais desvios da norma nacional, pois, se tivermos algo a acrescentar, que seja acrescentado na norma internacional”, explica o Coordenador. Magno avalia que, assim, haverá dois grandes efeitos para o mercado nacional: “um é o fato de que passaremos a ter uma norma brasileira, e isso é bem diferente de simplesmente citarmos a normas internacionais, pois a norma ABNT é um documento com maior peso legal nas especificações, seja de projetos ou de licitações; outro fator é o de termos a norma em língua portuguesa, o que irá facilitar muito a divulgação e o ensino tecnológico, tanto em cursos, escolas ou universidades, como também a melhor absorção pela indústria nacional, elevando o nosso grau de qualidade na competitividade pela automação industrial”, detalha.

A inscrição no GT é voluntária e recebe a participação de membros da Comissão de Estudos plenária, a CE 03:065.01, além de interessados em participar desse processo. A Associação Profibus, como coordenadora do GT de Redes Industriais, ficará responsável pela administração de todos os agendamentos de reuniões, convites, além da distribuição do texto base aos participantes e, em conjunto com a coordenação da CE 03:065.01, promoverá a divulgação dos trabalhos a produtores, consumidores e organismos neutros, de forma a tornar o trabalho legítimo e transparente, visto que a norma brasileira é de interesse de toda a sociedade.

O Consultor de Tecnologia e Inovação da Siemens adianta que os primeiros trabalhos serão definidos em uma priorização das principais normas de redes de comunicação industrial para “Fieldbus specifications” e “Fieldbus profiles”, respectivamente da série de normas IEC 61158 e IEC 61784, acrescentando que essa priorização será dada entre as partes 1 a 6 da IEC 61158-1 e partes 1, 2, 3 e 5 da IEC 61784. Esta foi uma das principais decisões da reunião ocorrida em 11 de fevereiro passado entre a ABNT e a Associação Profibus Brasil. “A importância de se começar por essas normas é justamente a de lastrear a base de normas para redes de comunicação industrial”, enfatiza Magno.

Vale destacar que a comissão de estudos de Sistemas e Componentes para Medição, Controle e Automação de Processos Industriais, a CE 03:065.01, acompanha as normas da IEC, International Electrotechnical Commission, em seus grupos de trabalho, TC65 (Industrial-process measurement, control and automation), SC65A (System aspects), SC65B (Measurement and control devices), SC65C (Industrial networks) e SC65E (Devices and integration in enterprise systems). O coordenador da ABNT explica que, para dar maior dinamismo à elaboração de normas brasileiras, o trabalho foi dividido em grupos, procurando seguir a mesma estrutura de grupos da IEC. Detalhes sobre estes grupos da IEC, com normas publicadas e trabalhos em andamento, podem ser vistos na aba “Standards development” na página www.iec.ch. “São muitas normas e nossos recursos na Comissão de Estudos Brasileira são limitados, nos levando a priorizar as atividades. Neste sentido a Associação Profibus está contribuindo com um importante impulso na normalização brasileira, iniciando um paralelo nacional ao SC65C da IEC”, conclui.