|  

Profibus: por dentro dos Indentifier Formats.

César Cassiolato - Gerente de Produtos da Smar Equipamentos Industriais Ltda.



INTRODUÇÃO

O arquivo gsd é como se fosse um datasheet eletrônico do equipamento que trás detalhes de revisão de hardware e software, bus timing do equipamento e informações sobre a troca de dados cíclicos. As informações de troca de dados cíclicos para cada módulo permitido do equipamento são demarcadas pelas palavras-chaves “Module” e “EndModule”. Entenda como troca de dado cíclico a informação requisitada ou enviada pelo mestre classe 1 (PLC, por exemplo), de alta prioridade, e que é parte fundamental no controle e tomada de decisão.
Cada módulo possui um conjunto de Identifier Bytes ou Identifier Formats.Este artigo nos mostrará como cada identificador é interpretado pelo mestre classe 1.

 


ENTENDENDO OS IDENTIFIER FORMATS

 

Os Identifier Formats são usados na configuração entre o mestre classe 1 e seus escravos.Após a energização (conhecida como power up) os equipamentos escravos estão prontos para a troca de dados cíclicos com o mestre classe 1, mas para isto, a parametrização no mestre para aquele escravo deve estar correta. Estas informações são obtidas através dos arquivos gsds, que deve ser um para cada equipamento. Através dos comandos abaixo, o mestre executa todo processo de inicialização com os equipamentos:


· Get_Cfg: carrega a configuração dos escravos e verifica a configuração da rede;


· Set_Prm: escreve em parâmetros dos escravos e executa serviços de parametrização da rede;


· Set_Cfg: configura os escravos segundo entradas e saídas;


· Get_Cfg: um segundo comando, onde o mestre verificará a configuração dos escravos.


Todos estes serviços são baseados nas informações obtidas dos arquivos gsds.


Existem 3 tipos de Identifier Formats, onde a principal diferença entre eles é a quantidade de bits e bytes que eles podem representar:
· Simples: podem representar 8 e 16 bits de dados
· Especial: podem representar 8 e 16 bits de dados e ainda tipos em formatos especiais
· Especial para Profibus DP-V1: podem representar 8 e 16 bits de dados e tipos padrões definidos de acordo com o DP-V1.

Exemplo de Identifier Formats:

;Modules for Analog Input
Module = "Analog Input (short) " 0x94
EndModule
Module = "Analog Input (long) " 0x42, 0x84, 0x08, 0x05
EndModule

 

IDENTIFIER FORMATS SIMPLES

 

Figura 1 - Identifier Formats simples.
 

Quando o formato for especial, veja Identifier Formats especiais.

 

 

Exemplo:

 

Figura 1a – Exemplo de Identifier Formats simples.
 


Identifier Formats especial


 

Figura 2 - Identifier Formats especial.
 
 

Note que através do formato especial pode-se descrever dados em 8 e 16 bits e que permitem módulos de até 64bytes/words.Vejamos o exemplo abaixo, onde para o campo de identificador temos 1 byte de comprimento de saída, 1 byte de comprimento de entrada em formato especial e um byte de dados de usuário.De acordo com o Length Byte 1, temos 64 words de saída com consistência em Word e de acordo com o Length Byte 2, temos 64 words de entrada com consistência em Word. Depois no Length Byte 2, temos um byte de dados de usuário que é específico e não pode ser descrito como padrão:

 

Figura 3a – Exemplo de Identifier Formats especial.


IDENTIFIER FORMATS DE ACORDO COM PROFIBUS DP-V1

 

Este formato pode representar 8 e 16 bits de dados e tipos padrões definidos de acordo com o DP-V1.A tabela a seguir lista alguns destes tipos.

 

Tabela 1 – Alguns tipos de dados manuseados de acordo com o Profibus DP-V1.


POR DENTRO DO IDENTIFIER FORMATS DE ACORDO COM O PROFIBUS DP-V1

 

Figura 4 - Identifier Formats de acordo com Profibus DP-V1.
 


COMPRIMENTO DE BYTES PARA IDENTIFIER FORMATS DE ACORDO COM PROFIBUS DP-V1

 

Figura 5 - Comprimento de bytes para Identifier Formats de acordo com Profibus DP-V.
 


No início do artigo, foi dado um exemplo para o Bloco Analog Input (AI).Note que podemos defini-lo em dois formatos: short e long. Vejamos o exemplo abaixo, considerando o formato long:

 

Figura 6 – Exemplo de Identifier Formats de acordo com o Bloco Analog Input (AI) do Profibus DP-V1.
 

Consideremos agora, um exemplo para o Bloco Analog Output (AO), onde temos a seguinte configuração possível entre várias:

Module = "eRCAS_IN + RCAS_OUT "
0xC4, 0x84, 0x84, 0x08, 0x05, 0x08, 0x05
EndModule

 

Figura 7 – Exemplo de Identifier Formats de acordo com o Bloco Analog Output (AO) do Profibus DP-V1.
 

CONCLUSÃO


Vimos através deste artigo a importância da interpretação dos Identifier Formats na tecnologia Profibus e suas particularidades.

 

REFERÊNCIAS


- Manuais Smar Profibus
- www.smar.com.br



Outros Artigos Técnicos

 

» FIBRA ÓTICA E PROFIBUS: A UNIÃO SEM RUÍDOS

» RoboChap - Robo de Chapisco em Moenda - ProfiNet Wireless

» PROFINET The Backbone for Industrie

» IO-LINK

» Algumas dicas de soluções de problemas no PROFIBUS-DP

» Conecte o LabVIEW a qualquer rede industrial e CLP

» Procedimento de atualização de hardware para acesso a dados HART em remotas PROFIBUS

» EDDL - Electronic Device Description Language & FDT/DTM – Field Device Tool/ Device TypeManagement & FDI - Field Device Integration

» O uso de entradas e saídas remotas em Profibus-PA facilitando a automação de processos em sistemas de controle

» Dimensionamento da quantidade de equipamentos em uma rede PROFIBUS-PA

» Soluções National Instruments para barramentos industriais

» PROFIBUS – Fique por dentro do DPV2 na prática

» Raio de Curvatura Mínima e Instalações PROFIBUS

» Gerenciamento de Ativos e Autodiagnose

» DC303 - Entradas e Saídas Discretas em sistemas Profibus com controle híbridos e aplicações de bateladas.

» LMP-100 – Solução eficiente para conexão de redes Modbus e Profibus.

» O Profinet na Automação de Processos

» O que é PROFIBUS

» PROFIBUS Integration in PROFINET IO

» Sensor Hall – A tecnologia dos Posicionadores Inteligentes de última geração

» FISCO: Fieldbus Intrinsically Safe Concept

» Implementação de Device Type Manager para posicionador inteligente Profibus PA

» Aterramento, Blindagem, Ruídos e dicas de instalação

» EMI – Interferência Eletromagnética

» Profibus-PA: byte de status e Fail-Safe

» PROFIsafe – o perfil de segurança PROFIBUS

» Conexão a quente de redes Profibus-DP em atmosferas explosivas.

» MEDIÇÃO DE VAZÃO

» A medição de pressão e um pouco de história

» NI LABVIEW COMO SCADA E HMI

» Automação baseada em componentes para indústria de alimentos e bebidas

» Interferência Eletromagnética e Instalações PROFIBUS

» Introdução ao PST - Partial Stroke Test - Teste de Curso Parcial

» Gestão de Ativos em Profibus – uma visão prática para a manutenção.

» Uma visão de Profibus, desde a instalação até a configuração básica – Parte 6

» Diretrizes para Projeto e Instalação de Redes PROFIBUS DP

» Uma visão de Profibus, desde a instalação até a configuração básica – Parte 5

» Métodos para diagnóstico em redes Profibus DP

» Uma visão de Profibus, desde a instalação até a configuração básica – Parte 4

» Uma visão de Profibus, desde a instalação até a configuração básica – Parte 3

» Uma visão de Profibus, desde a instalação até a configuração básica – Parte 2

» Protetor de transientes em redes Profibus

» Uma visão do protocolo industrial Profinet e suas aplicações

» Métodos para Diagnóstico de Falhas em Redes PROFIBUS DP

» Uma visão de Profibus, desde a instalação até a configuração básica – Parte 1

» Uso de repetidores em Profibus-DP

» PROTOCOLO AS-I: AGREGANDO INTELIGÊNCIA A SENSORES E ATUADORES

» A IMPORTÂNCIA DOS TERMINADORES DE BARRAMENTO NA REDE PROFIBUS

» GATEWAY ANYBUS-X

» EVOLUÇÃO DA MEDIÇÃO DA TEMPERATURA E DETALHES DE UM TRANSMISSOR DE TEMPERATURA PROFIBUS-PA

» Profibus-PA: Especificações para o Modelo de Blocos

» Versões do PROFIBUS-DP

» Profibus-PA: Byte de Status e Fail-Safe .

» Profibus: Por dentro da mudança de endereços das estações – Change Station Address .

» Profibus: Tempo de Barramento.

» Profibus: por dentro dos Indentifier Formats.

» Dicas de dimensionamento e instalação em redes Profibus PA

» DT303: transmissor de densidade com tecnologia Profibus-PA

» Instalações em Profibus-DP: técnicas & dicas.

» Implementação de Device Type Manager para posicionador inteligente Profibus PA

» WIKA: Especificação de Transmissores de Pressão

» WIKA: Medição de nível em tanques pela pressão diferencial.

» Medição da Temperatura

» WIKA: Medição de Temperatura. Termopares: Custo e Benefício

» WTECH: MÉTODOS PARA DIAGNÓSTICO EM REDES PROFIBUS DP

» NI LabVIEW como SCADA e HMI

» AS-Interface Integration in PROFINET IO