|  


Outros Artigos Técnicos

 

» RoboChap - Robo de Chapisco em Moenda - ProfiNet Wireless

» PROFINET The Backbone for Industrie

» IO-LINK

» FIBRA ÓTICA E PROFIBUS: A UNIÃO SEM RUÍDOS

» Algumas dicas de soluções de problemas no PROFIBUS-DP

» Conecte o LabVIEW a qualquer rede industrial e CLP

» Procedimento de atualização de hardware para acesso a dados HART em remotas PROFIBUS

» EDDL - Electronic Device Description Language & FDT/DTM – Field Device Tool/ Device TypeManagement & FDI - Field Device Integration

» O uso de entradas e saídas remotas em Profibus-PA facilitando a automação de processos em sistemas de controle

» Dimensionamento da quantidade de equipamentos em uma rede PROFIBUS-PA

» Soluções National Instruments para barramentos industriais

» PROFIBUS – Fique por dentro do DPV2 na prática

» Raio de Curvatura Mínima e Instalações PROFIBUS

» Gerenciamento de Ativos e Autodiagnose

» DC303 - Entradas e Saídas Discretas em sistemas Profibus com controle híbridos e aplicações de bateladas.

» LMP-100 – Solução eficiente para conexão de redes Modbus e Profibus.

» O Profinet na Automação de Processos

» O que é PROFIBUS

» PROFIBUS Integration in PROFINET IO

» Sensor Hall – A tecnologia dos Posicionadores Inteligentes de última geração

» FISCO: Fieldbus Intrinsically Safe Concept

» Implementação de Device Type Manager para posicionador inteligente Profibus PA

» Aterramento, Blindagem, Ruídos e dicas de instalação

» EMI – Interferência Eletromagnética

» Profibus-PA: byte de status e Fail-Safe

» PROFIsafe – o perfil de segurança PROFIBUS

» Conexão a quente de redes Profibus-DP em atmosferas explosivas.

» MEDIÇÃO DE VAZÃO

» A medição de pressão e um pouco de história

» NI LABVIEW COMO SCADA E HMI

» Automação baseada em componentes para indústria de alimentos e bebidas

» Interferência Eletromagnética e Instalações PROFIBUS

» Introdução ao PST - Partial Stroke Test - Teste de Curso Parcial

» Gestão de Ativos em Profibus – uma visão prática para a manutenção.

» Uma visão de Profibus, desde a instalação até a configuração básica – Parte 6

» Diretrizes para Projeto e Instalação de Redes PROFIBUS DP

» Uma visão de Profibus, desde a instalação até a configuração básica – Parte 5

» Métodos para diagnóstico em redes Profibus DP

» Uma visão de Profibus, desde a instalação até a configuração básica – Parte 4

» Uma visão de Profibus, desde a instalação até a configuração básica – Parte 3

» Uma visão de Profibus, desde a instalação até a configuração básica – Parte 2

» Protetor de transientes em redes Profibus

» Uma visão do protocolo industrial Profinet e suas aplicações

» Métodos para Diagnóstico de Falhas em Redes PROFIBUS DP

» Uma visão de Profibus, desde a instalação até a configuração básica – Parte 1

» Uso de repetidores em Profibus-DP

» PROTOCOLO AS-I: AGREGANDO INTELIGÊNCIA A SENSORES E ATUADORES

» A IMPORTÂNCIA DOS TERMINADORES DE BARRAMENTO NA REDE PROFIBUS

» GATEWAY ANYBUS-X

» EVOLUÇÃO DA MEDIÇÃO DA TEMPERATURA E DETALHES DE UM TRANSMISSOR DE TEMPERATURA PROFIBUS-PA

» Profibus-PA: Especificações para o Modelo de Blocos

» Versões do PROFIBUS-DP

» Profibus-PA: Byte de Status e Fail-Safe .

» Profibus: Por dentro da mudança de endereços das estações – Change Station Address .

» Profibus: Tempo de Barramento.

» Profibus: por dentro dos Indentifier Formats.

» Dicas de dimensionamento e instalação em redes Profibus PA

» DT303: transmissor de densidade com tecnologia Profibus-PA

» Instalações em Profibus-DP: técnicas & dicas.

» Implementação de Device Type Manager para posicionador inteligente Profibus PA

» WIKA: Especificação de Transmissores de Pressão

» WIKA: Medição de nível em tanques pela pressão diferencial.

» Medição da Temperatura

» WIKA: Medição de Temperatura. Termopares: Custo e Benefício

» WTECH: MÉTODOS PARA DIAGNÓSTICO EM REDES PROFIBUS DP

» NI LabVIEW como SCADA e HMI

» AS-Interface Integration in PROFINET IO

Profibus: Por dentro da mudança de endereços das estações – Change Station Address .

César Cassiolato, Gerente de Produtos da Smar Equipamentos Industriais Ltda.



INTRODUÇÃO


Uma característica muito útil disponibilizada pelo protocolo Profibus é a mudança de endereços via ferramentas de configuração; o conhecido comando Change Station Address.

 

A grande vantagem desta funcionalidade é permitir a mudança de endereço sem ter que ir até o equipamento.

 

Veremos a seguir alguns detalhes sobre esta funcionalidade.

 

COMO IDENTIFIOCAR SE UM EQUIPAMENTO DISPONOBILIZA O CHANGE STATION ADDRESS?

 

Isto é muito fácil. O arquivo GSD ( Device Data Base File) é o arquivo usado para a integração de um dispositivo em um sistema Profibus, é como se fosse um datasheet eletrônico do equipamento que trás detalhes de revisão de hardware e software, bus timing do equipamento, informações sobre a troca de dados cíclicos e também se o equipamento possui ou não o comando de mudança de endereço via comunicação:

 

Set_Slave_Add_supp = 1

 

Através desta key (palavra-chave) no arquivo GSD o mestre classe 2 (responsável pelos serviços acíclicos) poderá através do serviço DDLM_SET_SALVE_ADD efetuar a mudança de endereço do dispositivo.

 

ENTENDENDO COMO FUNCIONA O COMANDO CHANGE STATION ADDRESS

 

Um mestre classe 2 pode mudar o endereço de uma estação durante o estado “Power on” pelo byte DSAP = 0x37 no telegrama abaixo. Este serviço não estará disponível se o dispositivo tiver a mudança de endereço via DIP switch:

 

Change Station Address

SD

LE

LEr

SD

DA

SA

FC

DSAP

SSAP

DU

FCS

ED

0x68

09

09

0x68

8x

8x

x

0x37

0x3e

x...

X

0x16

 

Estrutura do campo DU:

 

Octeto 1
0
               

 

Novo endereço

 

Octeto 2
0
               

 

Ident Number High byte

 

Octeto 3
0
               

 

Ident Number Low byte

 

Octeto 4
0
               

 

00 = permite mudanças de endereço posteriores

 

01 = não permite mudanças de endereço posteriores

 

Via este telegrama o mestre enviará o novo endereço, conhecendo o seu identifier number (número de identificação conseguido no processo de registro do equipamento no Profibus International) e ainda poderá ou não indicar ao equipamento se ele deverá ou não aceitar mudanças de endereço posteriores

 

CONCLUSÃO

 

Vimos através deste artigo a importância do comando Change Station Address na tecnologia Profibus e suas particularidades.

 

REFERÊNCIAS

 

•  Manuais Smar Profibus

•  www.smar.com.br