|  


Outros Artigos Técnicos

 

» RoboChap - Robo de Chapisco em Moenda - ProfiNet Wireless

» PROFINET The Backbone for Industrie

» IO-LINK

» FIBRA ÓTICA E PROFIBUS: A UNIÃO SEM RUÍDOS

» Algumas dicas de soluções de problemas no PROFIBUS-DP

» Conecte o LabVIEW a qualquer rede industrial e CLP

» Procedimento de atualização de hardware para acesso a dados HART em remotas PROFIBUS

» EDDL - Electronic Device Description Language & FDT/DTM – Field Device Tool/ Device TypeManagement & FDI - Field Device Integration

» O uso de entradas e saídas remotas em Profibus-PA facilitando a automação de processos em sistemas de controle

» Dimensionamento da quantidade de equipamentos em uma rede PROFIBUS-PA

» Soluções National Instruments para barramentos industriais

» PROFIBUS – Fique por dentro do DPV2 na prática

» Raio de Curvatura Mínima e Instalações PROFIBUS

» Gerenciamento de Ativos e Autodiagnose

» DC303 - Entradas e Saídas Discretas em sistemas Profibus com controle híbridos e aplicações de bateladas.

» LMP-100 – Solução eficiente para conexão de redes Modbus e Profibus.

» O Profinet na Automação de Processos

» O que é PROFIBUS

» PROFIBUS Integration in PROFINET IO

» Sensor Hall – A tecnologia dos Posicionadores Inteligentes de última geração

» FISCO: Fieldbus Intrinsically Safe Concept

» Implementação de Device Type Manager para posicionador inteligente Profibus PA

» Aterramento, Blindagem, Ruídos e dicas de instalação

» EMI – Interferência Eletromagnética

» Profibus-PA: byte de status e Fail-Safe

» PROFIsafe – o perfil de segurança PROFIBUS

» Conexão a quente de redes Profibus-DP em atmosferas explosivas.

» MEDIÇÃO DE VAZÃO

» A medição de pressão e um pouco de história

» NI LABVIEW COMO SCADA E HMI

» Automação baseada em componentes para indústria de alimentos e bebidas

» Interferência Eletromagnética e Instalações PROFIBUS

» Introdução ao PST - Partial Stroke Test - Teste de Curso Parcial

» Gestão de Ativos em Profibus – uma visão prática para a manutenção.

» Uma visão de Profibus, desde a instalação até a configuração básica – Parte 6

» Diretrizes para Projeto e Instalação de Redes PROFIBUS DP

» Uma visão de Profibus, desde a instalação até a configuração básica – Parte 5

» Métodos para diagnóstico em redes Profibus DP

» Uma visão de Profibus, desde a instalação até a configuração básica – Parte 4

» Uma visão de Profibus, desde a instalação até a configuração básica – Parte 3

» Uma visão de Profibus, desde a instalação até a configuração básica – Parte 2

» Protetor de transientes em redes Profibus

» Uma visão do protocolo industrial Profinet e suas aplicações

» Métodos para Diagnóstico de Falhas em Redes PROFIBUS DP

» Uma visão de Profibus, desde a instalação até a configuração básica – Parte 1

» Uso de repetidores em Profibus-DP

» PROTOCOLO AS-I: AGREGANDO INTELIGÊNCIA A SENSORES E ATUADORES

» A IMPORTÂNCIA DOS TERMINADORES DE BARRAMENTO NA REDE PROFIBUS

» GATEWAY ANYBUS-X

» EVOLUÇÃO DA MEDIÇÃO DA TEMPERATURA E DETALHES DE UM TRANSMISSOR DE TEMPERATURA PROFIBUS-PA

» Profibus-PA: Especificações para o Modelo de Blocos

» Versões do PROFIBUS-DP

» Profibus-PA: Byte de Status e Fail-Safe .

» Profibus: Por dentro da mudança de endereços das estações – Change Station Address .

» Profibus: Tempo de Barramento.

» Profibus: por dentro dos Indentifier Formats.

» Dicas de dimensionamento e instalação em redes Profibus PA

» DT303: transmissor de densidade com tecnologia Profibus-PA

» Instalações em Profibus-DP: técnicas & dicas.

» Implementação de Device Type Manager para posicionador inteligente Profibus PA

» WIKA: Especificação de Transmissores de Pressão

» WIKA: Medição de nível em tanques pela pressão diferencial.

» Medição da Temperatura

» WIKA: Medição de Temperatura. Termopares: Custo e Benefício

» WTECH: MÉTODOS PARA DIAGNÓSTICO EM REDES PROFIBUS DP

» NI LabVIEW como SCADA e HMI

» AS-Interface Integration in PROFINET IO

GATEWAY ANYBUS-X

Carl Staffan Dahlstrom, Vice-presidente da HMS Industrial Networks. Contato: std@hms.se

 

As redes industriais e os barramentos de campo são hoje um segmento de mercado fragmentado com diversas redes e normas. Somente dentro do padrão IEC-61158 existem nove diferentes redes não compatíveis normatizadas. Além disso, existem diversas redes proprietárias de fabricantes que são extensamente utilizadas. Para aumentar a flexibilidade e a produtividade de manufatura é essencial distribuir nas diferentes células de produção as mesmas informações, e disponibilizar esta informação no sistema corporativo (ERP).

 

Uma planta de automóveis é dividida em diferentes células de produção. Freqüentemente cada célula possui uma rede que é escolhida para otimizar a operação desta célula, a célula de chassis pode utilizar Profibus-DP e a célula de pintura usar Interbus.

 

Existe uma grande demanda de aplicações para transferir dados entre estas redes, e também destas redes para o sistema corporativo, normalmente por Ethernet. Para uma fábrica que possui diversas redes esta tem sido uma tarefa difícil, envolvendo hardware e software de diferentes fabricantes. A HMS Industrial Networks lança um gateway, que quase suporta qualquer combinação de duas redes. Baseado nos seus cartões AnyBus, que suportam 15 diferentes barramentos de campo (fieldbus) e Ethernet industrial, essas combinações formam uma família com mais de 120 diferentes gateways, possibilitando quase todas as combinações de duas redes industriais.

 

O gateway AnyBus-X auxilia a integração dos sistemas pela facilidade de intercomunicação entre duas redes e assegura o fluxo transparente da informação por toda a planta. A família de produtos suporta redes como Profibus, DeviceNet, CANopen e CC-Link, bem como duas versões do Ethernet-TCP/IP com os protocolos Modbus-TCP e Ethernet/IP. O AnyBus-X também pode suportar redes como FIP, Modbus Plus, ControlNet, Interbus entre outras.

 

Os gateways são dispositivos autônomos inteligentes. A carcaça de metal é projetada para ambientes industriais com padrão DIN de montagem em trilhos. O conceito incorpora tanto a interface mestre como a escravo e é capaz de criar mais de 170 combinações, sem que nenhuma programação tenha que ser feita. Você simplesmente escolhe a versão dogateway que suporta as duas redes que você quer fazer a ponte. Para cada uma das combinações possíveis, existe umgateway específico. Isto possibilita a você uma solução flexível e versátil, baseada na comprovada tecnologia AnyBus.

 

O conceito de gateway é focado primeiramente na transferência de dados cíclicos de I/O entre duas redes. Durante o set-up do gateway, o usuário simplesmente seleciona a quantidade máxima de dados de I/O que quer transferir da rede A para a rede B. Caso as redes industriais suportem uma quantidade diferente de dados de I/O, a rede com menor quantidade de I/O determina quantos dados podem ser transferidos. Para aplicações padrão I/O, a configuração é muito fácil e nenhum parâmetro adicional é necessário.

 

“O AnyBus-X valorizou nossa instalação de redes no chão de fábrica”, diz Paolo Sartori da EFA Automazione s.r.l (Itália). “Com os gateways AnyBus-X podemos trocar dados entre células usando diferentes redes. Também podemos transferir os dados via Ethernet para o sistema supervisório, usando os protocolos Modbus/TCP ou EtherNet/IP, ou usando o web server para fazer o diagnostico remoto pela internet”.

 

Sartori conclui: “Isto nos permite manter as instalações atuais e proteger seu investimento, mas também aumenta a produtividade com a coleta maior de dados de diferentes células do chão-de-fábrica”.


 


 

A HMS Industrial Networks é uma empresa com operação internacional no campo de comunicação industrial. A HMS desenvolve e fabrica soluções para dispositivos de interface para redes industriais, e é uma das lideres tecnológica deste setor. Desenvolve e fabrica na sua matriz em Halmstad, Suécia. Vendas locais, atividades de suporte para desenvolvedores e para fabricantes de equipamentos são fornecidas pelas quatro filiais em Chicago, Tókio, Beijing e Karlsruh